top of page
  • Foto do escritorGiuseppe Matheus

Modelos Mentais Privados



Em poucas palavras


TL;DR - O ser humano se destaca dos outros animais pelo poder de se comunicar, mas você sabia que dependendo do modelo da comunicação, podemos ser super assertivos ou super confusos?


Diferente da comunicação, onde existe a troca de mensagens constantes, a colaboração é muito mais complexa, pois exige uma sintonia entre as partes envolvidas para suportar a co-criação, e isso é díficil!


Aí nascem expressões do tipo, "me deixa desenhar para explicar melhor".


Mas o quão importante é um desenho, quando isso é necessário e qual é problema de colaborar sem desenhos?


Colaboração através de desenhos


Acredito que desenhos são essências em qualquer situação, onde a colaboração e co-criação acontecem, pois ele é o ponto de acordo entre duas ou mais mentes. É importante dizer que ele é criado e evoluído durante a discussão e co-criação.


Eu acreditava que a minha carreira tinha me levado por esse caminho do "desenho" por acaso, até conhecer um TED Talk chamado "Como fazer Torradas", o vídeo no YouTube está em Inglês, mas o link do Ted-Talk possui legendas pt-br se preferir: Ted Talks - Como Fazer Torradas PT-BR.





Super recomendo assistir antes de continuar a leitura, caso você não possa assistir agora, salve para mais tarde.


Estendendo o fundamento da colaboração através de desenhos até o dia-dia, podemos quebrar quaisquer assuntos complexos em desenhos, conexões, e facilitar discussões de co-criação de soluções.


Existem inúmeros cursos de desenho na internet, eu comecei com papel e caneta, e hoje prefiro praticar em ferramentas como Draw.io, Lucidchart etc.. Simplesmente pela facilidade de armazenar, colaborar e resgata-los a qualquer momento.


Você pode encontrar uma ferramenta a sua escolha e alcance, era comum antes da pandemia as equipes passarem bons tempos em frente a um quadro branco, discutindo design de um backend, de uma engine, ou de uma interface.

Modelos mentais privados são os seus maiores inimigos, em qualquer área e em qualquer situação. Você não pode assumir que outra pessoa ou você mesmo, tenha entendido um determinado design, sem ter o desenho como contrato entre as partes!

Sem a colaboração através de desenhos, surge o problema que deu título à esse post: Modelos Mentais Privados, que serão explicados no capítulo a seguir.


Design é algo complexo, e a colaboração e co-criação de algo privado é dolorido!


Esse capítulo, tenta pontuar algumas coisas que observei em times que não praticavam colaboração através de desenhos, no qual resumi como "Modelos Mentais Privados".


Arremetendo para o vídeo "Como fazer torradas", podemos imaginar que fazer um misto quente parece algo simples a se pedir para alguém e mesmo assim, após desenhado, percebemos o quão complexo isso pode se tornar, simplesmente pelo fato que cada pessoa implica em variações como decisões, pontos de vista, conceito do que é importante, profundidade de detalhes, etc.. O resultado dessa imaginação individual é o que chamo de "Modelo Mental Privado".


Vamos dar uma pausa e refletir sobre: na área de TI não fazemos misto quentes, imagine essa complexidade de design, não em um misto quente, mas sim em um SISTEMA DE SOFTWARE!


Um software demanda um processo de design muito mais complexo que um misto quente, e inúmeros fundamentos da engenharia de software somado com inúmeros livros de práticas diferentes, tanto de codificação quanto de gerenciamento influenciam no resultado da imaginação de cada um envolvido.


O mesmo sofware que nasce através da transcrição de tarefas para código-fonte (códigos em alguma linguagem de programação), isto é, rotinas que devem ser automatizadas através de uma sequência de instruções para uma máquina poder compreender, o que podemos chamar de programar.


Acredito que a complexidade que um software carrega em seu design está conectado diretamente à outro post que sugiro a leitura: Coesão.

É improvável que mundo irá nos presentear com problemas, serviços e/ou negócios que sejam simples de serem modelados e explicados. Simplesmente porque o nosso mundo é complexo.

Precisamos lidar com isso e não tentar evitar ou negar esse fato da complexidade do nosso mundo, onde tudo se conecta com tudo. Não existe framework ou tecnologia que mude isso.


Muitas tentativas de controle se mostraram ineficientes como alguns exemplos: artefatos genéricos, modelos canônicos, bibliotecas compartilhadas, etc.


Essas abordagens são frágeis e geralmente causam paralisia em qualquer time.


Quando estendemos essa discussão de modelagem de software, precisamos entender melhor o contexto e co-criar. Hoje acredito que modelagem de sistemas, e modelagem de sistemas complexos seja pleonasmo ("redundância linguística").


Sintomas e disfunções que podem ser causados pelos modelos mentais privados


Vou descrever algumas coisas que podem indicar que o grupo possa estar sofrendo de modelos mentais privados, mas não estou dizendo que isso seja a causa do todo o mal, acredito que ele tem uma boa fatia.


Ok, vamos lá.


Primeiro Ponto: Silos de conhecimento


Teríamos infinitas maneiras de descrever o fluxo de como fazer um misto quente, como por exemplo, e se a forma do pão não fosse quadrada?

Se fosse um pão de sal, precisaríamos cortar o pão na horizontal antes de colocarmos os recheios, e por aí vai, a complexidade é exponencial. É aí que as coisas se perdem, ficam desalinhadas facilmente, e surgem anomalias e disfunções do tipo:

  • Você está com dúvida no processo do misto quente? Fala com o Fulano!

  • Fulano é o pai do processo do misto quente.

  • Ninguém consegue colaborar com processo do Fulano do Misto quente...

  • O antigo dono do produto foi embora com todo conhecimento sobre como fazer misto quente, vamos precisar criar um "novo" do zero...

  • Os únicos que desenham são os arquitetos, que não fazem ideia do nosso dia dia!

  • Preciso fazer uma integração aqui! - Faz uma reunião com Middleware da Silva...

  • A equipe dos feras que criou o acoplamento, agora vai refazer sem acoplamento.(será?)

Essa lista tende ao infinito e qualquer semelhança com a realidade é pura realidade mesmo...


Muitas TI's possuem custo operacional enorme, inúmeras tarefas repetidas, perdas, falhas de comunicação e reatividade. Digo isso por experiências Lúdicas e por testemunhar diversas vezes os mesmos padrões. Mas isso é assunto pra outra série. 🙂


Apesar de algumas empresas ainda estarem "reféns" de pessoas donas desses modelos mentais privados, no mundo de desenvolvimento de Produtos e Plataformas, isso já ocorre muito pouco.

Esse tipo de time coloca o cliente no centro das suas ações e prioriza o fluxo de entrega de valor. Entende que não pode ficar limitado a isolar o design da solução de serviços, processos de domínios de negócio em um único individuo, esse modelo, precisa ser compartilhado e zelado por um coletivo.

O domínio do negócio/problema e o design da solução/serviço são os maiores ativos do time e eles não podem estarem escondidos na cabeça de cada um através de modelos mentais privados ou possuirem pet-design. (modelagem de estimação)

Segundo ponto: Coletivo mais que o individuo


O Modelo mental privado sempre será uma coisa ruim, não importa o quão genial o individuo seja, simplesmente porque a colaboração do GRUPO e do COLETIVO, sempre terá resultados maiores, melhores e mais duradouros aos comparados com o resultado individual, essa diferença aumenta conforme o tempo passa.


Um grupo colaborativo cria um contexto onde todos conseguem falar livremente sobre um determinado assunto e colaborar continuamente no refinamento da solução, e digo aqui solução de problema de alguém, e não linhas de código. Eles possuem um modelo mental alinhado e co-criado.


É como se o processo de fazer um misto quente ficasse cada vez melhor, mais escalável e atendendo o gosto do número máximo de clientes e esse modelo sendo ativo zelado pelo grupo.


Você talvez irá testemunhar ou já testemunha times criando produtos sensacionais e projetando plataformas surpreendentes, e você poderá perceber o quanto a colaboração e os desenhos são itens naturais presentes no dia-dia desses times.


E talvez você irá testemunhar ou já testemunha uma pessoa assumindo uma grande responsabilidade como a arquitetura de algo complexo, mas por mais que essa pessoa estude e cria o mais perfeito modelo do mundo (que é improvável), com o tempo ela irá se desgastar e sofrer, pois dificilmente irá poder descansar e será uma questão de tempo para o burnout ocorrer.


Ponto três: Desinteresse e falta de capricho


O desgaste gerado por alguém que defende um modelo mental privado, faz com que não acreditamos naquilo, não somos capazes, não vimos propósito sobre ele, simplesmente não entendemos, não sentimos o que chamamos de capricho, não nos importamos com a qualidade e nos faz sentir inferiores (síndrome do impostor).


Quanto maior o envolvimento das pessoas, e maior for o senso de dono do produto, maior o CAPRICHO com a solução.


A palavra capricho se encaixou muito bem com meus times, pois resumiu muitas coisas que tentamos pregar endereçando qualidade, mas ela traz um contexto de preocupação, de envolvimento e de motivação pela qualidade sem algum motivo que obrigue. E por isso precisamos de desenhos, para matar os modelos mentais privados!

A maioria das gamificações que testemunhei funcionarem, tinha algo em comum: DESPERTARAM O CAPRICHO NOS TIMES.


Capricho, dicionário:

  1. Vontade súbita e infundada.

  2. Aferro obstinado (a uma ideia).

  3. Empenho (em levar a cabo uma coisa sem razão ou motivo que obrigue).

  4. Fantasia; brio.


Uma breve lista do que o modelo mental privado defendido por alguém pode causar:

  • Alto custo de manutenção.

  • Acoplamento pesado entre os módulos do software.

  • Só o Techlead entrega no prazo.

  • Refinement no estilo TED TALK, o techlead fala por 30 minutos ininterruptos.

  • Só uma pessoa específica consegue alterar o módulo X ( E se a sprint tiver só cartões no módulo X? velocity foi pro brejo)

  • Dailys de 30 ~ 60 minutos ou mais...

  • Muitos testes unitários, alto percentual de cobertura e bugs em produção...

  • Refinements, Plannings, ou qualquer outros ritos do time cansativos e sem objetivos.

  • Cartões pobres de especificação, às vezes, só com título, vulgo cartões shurg 🤷🏽‍♂️, termo originado em tickets de support, mas parece estar dando fit em histórias de usuário também. (sintoma que capricho já foi pro saco)

Conclusão e Conceitos Chave


  1. Proteja seu time dos modelos mentais privados, não deixe isso se tornar parte da cultura, se sua empresa já é assim, tente começar mudando pelo seu time.

  2. Sempre utilize meios de se comunicar que não sejam somente a fala ou escrita, utilize dos mais diversos modelos ou ferramentas visuais ao seu alcance.

  3. Quadro branco, lousa, giz, desenho na mesa(brincadeira), folha da agenda, Draw.io, Lucid-chart, famoso papel de pão, vale tudo!

  4. Crie um espaço de criação livre, como se fosse a mesa de rabiscar do time, pode ser uma pasta no google drive, ou qualquer outra nuvem, acessível por todos.

  5. Lembre-se que a fala é a menos efetiva quando falamos de DESIGN e CO-CRIAÇÃO!

  6. A maneira como que visualizamos o design de algo é literalmente mental e é um ponto de vista privado, raramente é o mesmo dos outros, pois ela é produto da imaginação de cada um.

  7. Seria um erro presumir que a outra pessoa imaginou exatamente a mesma coisa. Ser detalista para tentar construir esse modelo privado sem falhas de comunicação é extremamente exaustivo e desgastante para o grupo, pode parecer arrogância em muitos casos.

  8. Se você não é bom com desenhos, pratique! Tente começando por nós e conexões, quadrados e setas. Com o tempo você irá aperfeiçoar essa skill.

  9. Adicione ao desenho coisas que são relevantes pra colaboração, o desenho não é pra ser uma foto perfeita, é pra ser um meio colaborativo, então foque no que é importante, caso ele precise ser apresentado, deixe isso para depois, como uma etapa após a conclusão dele.

  10. Na próxima vez que o seu time for discutir algo complexo, proponha um desenho, sem preocupação de beleza.. você verá que nos primeiros momentos vocês estarão em um flow de comunicação e colaboração. Atenção, caso isso não aconteça, pode ser sintoma de um grupo desconectado, inseguro e ou com silos de conhecimento que impedem a colaboração, esses desafios precisam ser quebrados através de técnicas como de tech huddles, pairings, dojos etc, mas não é assunto desse post. 🙂


Caso você tenha sugestões, gostado do conteúdo, queira compartilhar algo gostaria muito de te ouvir. Podes utilizar a página de contato para compartilhar seus pensamentos comigo.


Aquele abraço! 😁😁





93 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page